terça, 16 de janeiro de 2018

Mesquita Islâmica - PARTE I

  "O Islamismo defende a vida, a justiça social, a consulta popular e repudia a violência." Mesquita Islâmica - PARTE I

Painel Entrevista - Qual é a sua origem?

O que o senhor faz e qual é a sua função na Sociedade Beneficente Islâmica?

Sr.

Salah: Em nome de Allah, O Clemente, O Misericordioso, Louvado seja Allah e que Sua bênção e paz estejam com o profeta Mohamad, seus familiares, companheiros e seus seguidores até o dia do juízo final.

Eu me chamo Salah Mohamad Ali, minha origem é libanesa, sou brasileiro naturalizado, casado com Jamile Alwan e tenho dois filhos, Mohamad (24anos) e Ahmad (23 anos).

Sou professor do ensino médio, freqüentei curso de Direito, mas não cheguei a concluí-lo.

Recentemente, fui eleito presidente da Sociedade Beneficente Islâmica do Litoral Paulista, para o exercício de 2007 e 2008.

Participei como secretário-geral em todas as diretorias da nossa sociedade.

Hoje realizamos um trabalho religioso e social, em ação conjunta ao nosso diretor do Centro Islâmico de Santos o Sheick Salah Muhiy Otman Saad (enviado pelo Ministério de Religião do Egito).

Este trabalho é dividido em duas etapas, sendo: A Primeira - O ensino e a divulgação da Religião do Islam, através da Mesquita Islâmica de Santos, de forma estritamente fiel e alicerçada no Alcorão Sagrado e na “Sunna” (a explicação do Alcorão Sagrado, e os atos e palavras do profeta Mohamad).

E com isso, demonstrar que o Islamismo é a religião da paz, da tolerância, da misericórdia.

Portanto, defende a vida, a justiça social, a consulta popular e repudia a violência.

Por isso, realizamos aulas de religião semanais abertas à comunidade, além de mantermos a escola de língua árabe, direcionada aos jovens de até 15 anos, e estamos nos estruturando para em breve abrirmos aulas para os adultos.

A segunda etapa abrange o trabalho social, que é voltado a apresentação da cultura árabe, e ao resgate do indivíduo dos males da sociedade atual, através da oração, da meditação, palestras culturais e a promoção de eventos tais como jantares, festas típicas com músicas e danças folclóricas, sempre incentivando a moral e os bons costumes.

Através desse trabalho, seguimos acreditando que, com amor, carinho, diálogo e a fé em Deus Único, Absoluto e justo, trilharemos o caminho da senda reta, de paz e do Islam, e construiremos uma sociedade justa para nós e nossos filhos.

Painel Entrevista - Quais são as origens do Islamismo?

Por quem a religião foi fundada?

Ela é monoteísta?

Sr.

Salah: Ela se espalhou no mundo inteiro e alcançou 1.

400.

000(1bilhão e quatrocentos milhões) de adeptos, saindo dos limites dos países árabes e se propagando em todos os continentes do planeta.

A palavra Islam deriva da palavra “paz” e significa a submissão da pessoa à vontade de Allah Único e Absoluto.

A religião islâmica não é uma religião nova, ela é a mesma verdade revelada por Allah aos seus profetas e mensageiros desde que o mundo foi criado, começando por Adão, passando por Noé, Abraão, Ismael, Isaac, Jacó, Moisés, Jesus e o derradeiro dos profetas que foi Mohamad (que a paz de Deus esteja com todos eles até o dia do juízo final).

Essa verdade consiste em reconhecer Allah, como Único e Incomparável, Soberano, Criador dos céus e da terra, de todos os seres vivos e da raça humana com a finalidade de adorá-lo e a Ele dirigir suas orações, e assim seguir o caminho do bem, e evitar e combater o mau caminho, e com isso amar ao próximo e viver neste mundo pensando na vida eterna, onde cada indivíduo será julgado pelos seus atos em sua vida mundana.

Sobre isso Deus Altíssimo disse na Surata “Al Bácara” (a vaca) vers.

2 até 5: “Eis o livro que indubitavelmente a orientação dos tementes a Allah - Que Crêem no desconhecido, observam a oração e gostem daquilo com que os agraciamos, Que crêem no que te foi revelado (Ó Mohamad), no que foi revelado antes de ti, e estão cientes da outra vida – estes possuem a orientação do seu Senhor e estes serão os bem aventurados.

” O Islam é a região de Deus Único, Absoluto, Criador dos céus e da terra, Ele é Justo, nada pode associar-se a Ele, pois nada se assemelha a Ele.

Deus criou o homem antes dele nascer, e seguirá existente depois da morte.

Deus elege entre os humanos a quem os anjos têm que revelar a legislação divina, para que seja divulgada entre as pessoas.

Eles são os mensageiros.

Estas legislações estão contidas em livros sagrados revelados: Salmos de David, Torá, Evangelho e o Alcorão que é a principal fonte de fé e de prática de todo muçulmano, ele proporciona orientação para uma sociedade justa e conduta humana mais decente.

A Religião Islâmica veio para acabar com a adoração de ídolos, chamando a raça humana para orar e dirigir suas orações para um Deus Único e Absoluto.

O Islamismo veio salvar o mundo da situação vigente daquela época, e para sempre, pensando nos séculos VI e VII da era de Cristo que representaram a fase mais negra de toda a história da nossa espécie, abismo da destruição derradeira, os ensinamentos dos profetas haviam se alinhado na busca da satisfação dos desejos sensuais dos indivíduos daquela época e na manutenção de sistemas políticos e econômicos injustos, cooperando com eles na coleta de benefícios de riquezas dos povos ilicitamente.

Os romanos e os persas que desfrutavam do monopólio da liderança no ocidente e no oriente, haviam descido a um estado de completa depravação moral.

Cabe lembrar que o budismo dominava uma parte da China e o hinduísmo na Índia.

Na Arábia reinava a divisão entre as tribos, guerras e a ganância.

E quando nasciam meninas as mesmas eram enterradas vivas, e havia também criação de ídolos.

Eles eram divididos entre bizantinos e persas, a licenciosidade transbordava tanto no “Irã” como em Roma, o prazer sensual tornou-se o principal objetivo de vida nesses locais.

A palavra de Deus havia sido corrompida: “a corrupção surge na terra e no mar por causa do que as mãos dos humanos lucraram.

.

.

”.

Ao ver isso Deus instruiu o profeta Mohamad (que a paz de Deus esteja com ele) a ressuscitar e tirar a sociedade da obscuridade e guiá-los à luz.

Então o profeta Mohamad convidou os homens a uma servidão a Deus que os libertaria da escravidão, seu legado deu à humanidade uma nova vida, nova luz, nova fé, nova cultura e uma nova sociedade.

Mohamad (que a paz de Deus esteja com ele) nasceu em Makka no ano 570 sem pai, e perdeu sua mãe quando era pequeno.

Ele recebeu sua primeira revelação de Deus aos quarenta anos, por intermédio do anjo Gabriel.

Essa revelação que prosseguiu por vinte e três anos ficou sendo conhecida como Alcorão.

Tão logo começa pregar a verdade que Deus havia lhe revelado, ele e seu pequeno grupo de seguidores sofreram perseguições.

E ele teve que se defender dos idólatras de coraix, até a conquista pacífica da cidade de Makka.

Este feito significou a vitória da palavra de Deus.

Os muçulmanos crêem em um Único Deus e Incomparável, nos anjos criados por Ele, nos profetas enviados, nos livros sagrados, na autoridade total de Deus, sobre o destino do homem, na vida depois da morte e no dia do juízo final.

São cinco os pilares do islamismo: 1º pilar - A Fé: não há outra divindade além de Deus e Mohamad é seu mensageiro e profeta.

2º pilar - A oração: realizada cinco vezes ao dia, representa o marco que diferencia o muçulmano dos que não o são.

3º pilar - O “Zakat” (purificação, crescimento) 2,5% do lucro.

4º pilar - O jejum: um mês por ano, desde a alvorada até o por do sol - significa a purificação do corpo e da alma, conservar a língua, vivenciar o mesmo que os necessitados vivem.

5º pilar - A peregrinação: é obrigatória somente para aquelas pessoas que são física e financeiramente capazes de fazê-la.

Painel Entrevista - Sabemos que o Islamismo é a religião que mais cresce na Europa.

Qual é a situação dela nas Américas, no Brasil e em Santos?

Sr.

Salah: A religião Islâmica esta crescendo no mundo todo, especialmente na Europa: Inglaterra, França, Alemanha, Holanda, Bélgica.

São milhões de imigrantes que vieram dos países árabes, especialmente da África, em busca de uma oportunidade de trabalho e de uma vida melhor.

O Islam parece uma religião exótica aos olhos ocidentais, talvez isso ocorra porque no ocidente a religião não é parte integrante do dia-a-dia dos ocidentais de forma geral, enquanto que para os muçulmanos a religião é vital em suas mentes, e não fazem diferença entre secular e sagrado porque, para nós, muçulmanos, o Alcorão Sagrado é o nosso código de vida, pois trata de todos os assuntos da vida.

O Islam penetrou nos corações na Europa e está crescendo por causa da sua simplicidade, sua doutrina, e suas respostas claras, para que o ser humano consiga a felicidade, a paz, a tranqüilidade e o amor verdadeiro, para construir uma sociedade livre da violência e do ódio.

Apesar das restrições que os muçulmanos enfrentam para construir mesquitas, divulgar a religião e os ataques injustificáveis contra nosso profeta, e da proibição do uso do véu (em alguns locais) da mulher muçulmana, que serve para a preservação de seu corpo, e atende ao pedido de Deus, ainda assim milhões de pessoas estão entrando no Islam.

Porque na mensagem de Deus, eles encontram a esperança e todas as respostas que estavam buscando.

Na América do Sul, a religião Islâmica cresceu muito, especialmente nos últimos vinte anos na Argentina, Chile, Venezuela, Paraguai, Uruguai, e aqui no Brasil já são mais de três milhões de muçulmanos espalhados de norte a sul, leste a oeste.

Temos mais de sessenta mesquitas, dezenas de escolas da língua árabe e vários centros de divulgação e estudo da religião Islâmica.

Foi fundada em São Paulo há, três meses, a UNI (União de Entidades Nacionais Islâmicas no Brasil).

Em Santos, temos a Mesquita trabalhando conjuntamente com a Sociedade Beneficente Islâmica do Litoral Paulista (vide a resposta da primeira questão) para explicar e divulgar os significados da religião Islâmica, para as escolas e faculdades da região.

Recebemos nos últimos anos, milhares de pessoas interessadas em conhecer a Mesquita de perto.

O Sheick nos orienta com os fundamentos da religião Islâmica.

Como na Europa, aqui em Santos se converteram dezenas de brasileiros e brasileiras de forma consciente, espontânea e sem precipitação.

Painel Entrevista - Onde fica a maior concentração de mulçumanos convertidos no Brasil?

Sr.

Salah: A maior concentração é no Estado de São Paulo e Paraná.

São centenas de convertidos na cidade de São Paulo, por causa dos centros de divulgação e mesquitas (são mais de 20 existentes), e por causa de várias escolas que ensinam a língua árabe: centro de São Paulo, Santo Amaro e São Bernardo do Campo e outras regiões.

Em Santos temos dezenas de convertidos à religião Islâmica, isto ocorre após um preparo que leva de seis meses a um ano.

No Paraná, além de Curitiba e Paranaguá, a maior concentração é na cidade de Foz do Iguaçu.

Painel Entrevista – É necessário conhecer a língua árabe para ingressar no Islamismo?

Sr.

Salah: Deus revelou o Alcorão na língua árabe, como milagre para convencer o mundo que esse livro foi feito por Deus, porque, apesar da evolução dos árabes naquela época na poesia e na língua árabe em geral, Deus desafiou todos para fazerem pelo menos dez (10) versículos parecidos: Deus disse na surata “Hud” vers.

13: “Ou dizem: Ele o forjou!

Dize: pois bem, apresentai dez suratas forjadas, semelhante às dele, e pedi, para tanto, a quem possais, em vez de Allah, se estiverdes certos”.

Por outro motivo Deus enviou o Alcorão na língua árabe, para preservá-lo das mudanças ou modificações ou transformações que podem mudar o significado dos versículos ou o conteúdo da mensagem verdadeira, que pode sofrer alterações na tradução, como aconteceu na Tora e no Evangelho.

Todo muçulmano deve memorizar e compreender o Alcorão na língua árabe para poder fazer suas orações (cinco).

Ele precisa decorar pelo menos as suratas pequenas, e de preferência o Alcorão inteiro ao longo de sua vida.

Mas o sermão pode ser feito na língua local, por isso nada foi modificado no Alcorão.

Há 1428 anos todos os muçulmanos do mundo falam as mesmas palavras do Alcorão em árabe.

Deus disse na 43ª surata - 3º e 4 º vers.

: “Nós o fizemos um Alcorão árabe, a fim que compreendêsseis.

E em verdade, encontra-se na mãe dos livros, em nossa presença e é altíssimo repleto de sabedoria.

Painel Entrevista – Nas outras religiões seus seguidores colaboram com uma taxa.

No Islamismo isso ocorre?

Há alguma outra taxa que os ajude a manter?

Sr.

Salah: A riqueza foi confiada ao ser humano por Deus, porque toda as coisas pertencem a Deus, por isso todo muçulmano deve pagar 2,5% de seu capital, pagar um tributo que se chama “Zakat”.

Significa purificação.

Depois de completar um ano.

Os muçulmanos não precisam de fiscais para pagar a Zakat, porque este tributo é o terceiro pilar do islamismo, Deus vê tudo e sabe de tudo.

Por isso um crente, um muçulmano que segue sua religião paga pontualmente a Zakat, que tem por finalidade ajudar com isso os necessitados e a divulgar o Islam e agradar a Deus.

A pessoa piedosa deve colaborar quanto possa com a caridade e fazê-lo em segredo.

Aqui em Santos, temos uma caixa dentro da mesquita para que cada um possa depositar sua contribuição voluntariamente, e temos também uma mensalidade que não é obrigatória, que é usada para cobrir nossas despesas e projetos sociais.

Painel Entrevista - Há alguma postura corporal especial para rezar?

O que ela significa?

Sr.

Salah: Antes de fazer as orações, o mulçumano deve realizar a “ablução”, uma limpeza corporal que consiste na lavagem das mãos até os cotovelos, a boca, o nariz, o rosto, os cabelos e as orelhas, os pés e deve-se repetir este ritual por três vezes.

Porque a higiene é metade da fé.

A segunda parte consiste em escutar a chamada à oração feita em árabe.

Ela começa com essas palavras: “Deus é maior”, três vezes, “Testemunho que só existe um Deus”, três vezes, “Testemunho que Mohamad é o profeta de Deus”, três vezes, “Vinde para a oração, vinde para a salvação”, três vezes, “Deus é maior, Deus é maior, só existe um Deus”.

Depois disso o muçulmano dirige suas orações em direção à Makka, praticando o número exato de cada oração , fazendo as prostrações, e em cada uma ele pratica a leitura de uma surata e outra pequena do Alcorão com mente e coração livre do ódio, egoísmo e pedindo a bênção de Deus para ele, para sua família e para a sociedade.

Saiba o que virá na segunda parte desta entrevista: - Os direitos das mulheres em relação aos homens.

- A diferença entre Sunistas e Xiitas.

- Como era o convívio com os judeus na época em que surgiu o Islamismo.

- Fala sobre a participação do Hezbollah na guerra do Líbano.

Envie comentários para: opiniao@colegiouniversitas.com.br EQUIPE DE REDAÇÃO, FOTOGRAFIA, PESQUISA E APOIO Marina Vieira Marques.

Verônica Ponce Alonso Pedroso.

Marcela Antunes Tucci.

Mariana Nadais Aidar.

Matheus Rodrigues Ruas.

Marina Aidar Monteiro da Costa.

Thaís Prieto Rodrigues.

Desyreé Reno Torres.

Olivia Peralta Miranda de Carvalho.

DATA DA REALIZAÇÃO 10/10/2006.

ORIENTAÇÃO Profª Elsie Briggs Padron.

COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Prof.

Lenine Righetto.

SUPERVISÃO E REVISÃO Prof.

Alcides Duarte.

Outras Entrevistas
O que você mais gosta de fazer nas férias?
Resultado